Bastidor Tia Ciata

R$ 95,00
ou 4 x R$ 23,75
. Comprar  
"No início do século 20, Hilária Batista de Almeida, mais conhecida como Tia Ciata, se tornou símbolo da resistência negra pós-abolição e uma das principais incentivadoras do gênero depois de abrir as portas de sua casa para reuniões de sambistas pioneiros quando a prática ainda era proibida.

Nascida em 1854 em Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano, Hilária Batista de Almeida foi criada em meio a uma família de mulheres negras que trabalhavam como cozinheiras e serventes. Por incentivo do pai de santo Bangboshê Obitikô, que era africano, Hilária foi iniciada no candomblé e se tornou mãe de santo, sendo confirmada como Ciata de Oxum.

Aos 22 anos de idade, migrou para o Rio de Janeiro, junto ao movimento da diáspora baiana. No final do século 19, com a abolição da escravatura no Brasil, uma grande quantidade de negros baianos se deslocou para o Rio, principalmente para bairros da zona portuária como Gamboa, Saúde e Santo Cristo, em busca de melhores condições de vida.

De origem humilde, Ciata teve de trabalhar como quituteira para ajudar em casa e sustentar os filhos. Paramentada com turbantes na cabeça e volumosos vestidos brancos, Ciata foi – ao lado de outras mulheres baianas de sua geração como Tia Amélia do Aragão (mãe de Donga), Tia Presciliana (mãe de João de Baiana), Tia Veridiana (mãe de Chico da Baiana) e Tia Fé da Mangueira – uma das precursoras do movimento de tias baianas quituteiras na Cidade Maravilhosa.

Através de mandingas e tabuleiros repletos de bolos, manjares e cocadas, a atuação das tias quituteiras foi fundamental para garantir a manutenção da cultura popular trazida da Bahia e dos ritos de tradição africana, além do sustento de suas famílias.

Com comida boa e rodas regadas a muita música, a casa onde Ciata morava na antiga Rua Visconde de Itaúna, perto da Praça Onze ou “Pequena África”, logo passou a ser um dos principais pontos de encontro de personagens históricos do samba carioca como Pixinguinha, Donga, Heitor dos Prazeres, Sinhô e João da Baiana..."

Bastidor com aplicação de tecido sobre placa especial de isopor com a técnica de Patchwork. 
Bastidor de madeira de 22 cm diâmetro 

IMPORTANTE: os prazos de entrega podem aumentar devido à atual situação de pandemia. 


 
• Prazo para postagem:
• Código do produto: 7954DA
• Quantidade mínima: 1
Veja também